top of page
  • Foto do escritorSilvia Cristina Caseiro

O que é Zouk Brasileiro ?


Quer entender a origem do zouk? Saiba distinguir a história da dança e da música, são bem diferentes


Significado da palavra “zouk”



Zouk é uma palavra conhecida no mundo inteiro, pois além de ser uma modalidade de dança de salão brasileira, derivada da nossa Lambada, hoje conhecida como Zouk Brasileiro, é também gênero musical com origem caribenha e francesa. Pra variar a palavra também batiza uma dança de casal angolana.


Zouk é uma palavra da língua crioulo antilhana (africana com influência francesa), que na essência significa “festa”. Por conta de significar “festa” deu origem ao gênero musical zouk, criado por volta de 1979, a partir das músicas da banda Kassav, das Ilhas de colonização francesa de Martinica e Guadalupe.


O que é a música zouk


Se você entrar em uma balada de zouk ainda hoje no Brasil pode ser que ouça músicas em uma língua diferente com um sotaque francês.Trata-se do "criolé”, dialeto que mistura o crioulo africano com a língua francesa por questões de colonização das Ilhas Caribenhas Martinica e Guadalupe, localizadas na América Central.


Sim, foi lá, pertinho do Caribe, na América Central, onde a língua francesa predomina, que nasceu a música zouk. Esse estilo musical se espalhou pelo mundo na década de 80, inclusive na Europa, dando origem a bandas e intérpretes similares como a de flamenco francesa Gipsy Kings e a caribenha Kassav.


Se a gente fizer as contas veremos que quando a música zouk nasceu, lá em 1979, com a banda Kassav estreando um novo gênero, logo em seguida, na década de 80 teríamos um “boom” da Lambada no Brasil.



Música Lambada

Por aqui, na década de 80, fazia sucesso musical Beto Barbosa, considerado o Rei da Lambada. Quem não lembra da música “Adocica” não era vivo em 80. E de onde veio a influência desse cantor? Da região Norte do Brasil, Belém do Pára, de um ritmo chamado Carimbó, bem brasileiro.


Na onda de Beto Barbosa pegaram carona: Márcia Ferreira, Manezinho do Sax, Sidney Magal, Sandy e Júnior, Fafá de Belém e Angélica.


A música lambada, com toda a sua influência no carimbó brasileiro caiu em decadência na década de 90. Mas antes dessa decadência, em 1989, surgiu a Kaoma, uma banda franco-brasileira que, influenciada pelo zouk caribenho-francês e carimbó brasileiro, estreou na Europa e fez eco aqui no Brasil, proporcionando um gostinho de quero mais lambada!


O que é a dança Zouk Brasileiro?



O zouk brasileiro é considerado uma das danças mais sensuais dentro das danças à dois. Após períodos de adaptação da lambada, o zouk dançado no Brasil hoje ganhou movimentos e músicas mais modernas, com ondulações corporais suaves e sinuosas. Sua base ao mesmo tempo que explora o poder do quadril e das pisadas que buscam o chão, tem momentos de leveza.


Influências de outras danças Foram incorporados movimentos influenciados pelas danças urbanas, jazz e dança contemporânea, proporcionando aos praticantes uma imensa consciência corporal, liberdade e espaço para criatividade e autenticidade.


Com o passar do tempo, musicalmente os dançarinos passaram a utilizar além da música zouk tradicional franco-caribenha e a kizomba, mixagens, a pop music, black music, o R&B, o funk, o reggaeton, e alguns estilos da nossa MPB mais melódica.

Cidades e principais nomes do Zouk Brasileiro


A forma como o zouk é dançado hoje nos bailes se desenvolveu simultaneamente em quatro principais cidades brasileiras: Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Seguro e Belo Horizonte.



No Rio de Janeiro foi impulsionada por nomes como Renata Peçanha, Jaime Arôxa e Adilio Porto, principalmente nas casas noturnas: Ilha dos Pescadores e Roxy Roller. Em São Paulo esse desenvolvimento foi sustentado por Philip Miha e Fernanda Teixeira. Os bailes aconteciam no Lambar, Mel e Reggae Night.


Já em Belo Horizonte a dança zouk se desenvolveu através de Rodrigo Delano e as casas noturnas que proporcionaram esse crescimento foram a Casablanca e o Cabaré Mineiro. Em Porto Seguro não foram encontradas informações suficientes até o momento dessa pesquisa.


Vertentes do Zouk Brasileiro

Uma dança que se pode dançar com tantos estilos musicais diferentes (Zouk, Kizomba, Black Music, Pop Music, Reggaeton, R & B e Soul) não poderia ter apenas uma forma de dançar engessada, não é mesmo? Por isso o Zouk Brasileiro foi provedor de diversas maneiras de se dançar a mesma dança, e essas maneiras ganharam força e nomes, vamos a elas:


Zouk Tradicional:

É considerada a forma mais suave e sensual do Zouk. Recebeu influências do jazz, da dança contemporânea e também das danças de salão brasileiras como o Bolero e Samba de Gafieira. O zouk tradicional foi desenvolvido no Rio de Janeiro com profissionais como Renata Peçanha, Adilio Porto e Jaime Arôxa.

Neo Zouk:

Neo Zouk assim como o nome diz: “Neo” significa novo e o “Neo Zouk” nada mais é do que a forma resumida de identificar os “Novos estilos de Zouk” inspirados nas novidades musicais de cada época. Um dos primeiros profissionais a trazerem novidades na dança inspirada pela mudança musical foi Mafie Zouk, pai do Neo.

Com popularização da Soul Music e RnB surgiu também o Soulzouk, Lirical Zouk e Zouk Flow, cujos representantes são Mafie, Shina e Arknjo. Assim como foram adicionadas e mixadas músicas de da Black Music e Pop Music, surgiu o Zouk Black, representado por Renato Veronezi e Jefferson Dadinho.


LambaZouk: O LambaZouk é a vertente mais raiz do zouk, que conseguiu preservar as algumas características da dança Lambada como alguns giros diferenciados, maior ênfase no quadril e a velocidade das músicas mais frenéticas. Hoje essa vertente está em pleno crescimento e faz uma mescla, promovendo a união de todas as tribos. Os principais representantes são: Gilson Damasco e Natasha, Ricardo Ferrari, David e Deywyla e Leo Gomes e Ana Gomes.


Cenário internacional do Zouk


Nossa amada Lambada dos anos 90 se transformou em uma dança extremamente pop, o Zouk Brasileiro. Esse estilo de dança de salão brasileira cresceu muito e se espalhou pelo Brasil e o mundo.


Hoje em dia existe até um Conselho Internacional da nossa dança o BZDC (Brazilian Zouk Dance Council), que promove um Jack & Jill Internacional (Competição de dança em que há troca de parceiros) entre outros eventos de zouk mundo afora .


Os principais representantes do BZDC são os profissionais: Gilson Damasco, Renata Peçanha, Alex de Carvalho, Kadu Pires, Larissa Thayane, Jaime Aroxa, Rafael Oliveira, Philipe Miha, Rodrigo Delano, Freddy Marinho, Andressa Castelhano, Ruana Vasquez, Bruna Kazakevic e Raquel Ramalho.


Quem é a professora Silvia Caseiro no Zouk Brasileiro?


Sou professora de danças de salão desde 2008. Sempre me arrisquei a dar aula de tudo: samba de gafieira, bolero, salsa, bachata, forró, sertanejo, rockabilly e por aí vai...Porém o zouk sempre foi uma pedrinha no meu sapato, porque eu não me sentia capaz.

Apesar de durante a minha formação como professora eu ter tido algumas aulas de zouk, foi só em 2014 que eu realmente me joguei no zouk, com coragem mesmo… O primeiro contato foi nos bailes, depois com alguns parceiros que sabiam que eu lecionava dança de salão.


Me apaixonei de tal modo por esse estilo, a energia dessa dança, a consciência corporal que ela traz para qualquer dançarina e a saúde envolvida. Zouk é uma mistura de Meditação com Yoga pra mim. Uma dança que faz seu corpo respirar e você se sente totalmente presente.


Fiz muitas aulas em Congressos de Zouk em São Paulo. E fui autodidata durante um bom tempo. Já fui aluna do David e Deywylla em um curso de LambaZouk e também passei pelo Zouk Hardcore da Bruna Kazakevic e Zé Roberto. Não pretendo parar de estudar zouk nunca.


Hoje, de tanto estudar ensino zouk com paixão. É um prazer enorme saber que uma aluna ou aluno estão também vencendo seus medos, sua timidez e ganhando o autoconhecimento, autoestima e consciência corporal que essa dança proporciona. Para as pessoas tímidas, assim como eu, o zouk é um desafio que te faz aflorar toda sua feminilidade de maneira natural… é uma dança criativa, versátil e original.


Topa aprender zouk ?

Se você, assim como eu, se apaixonou por essa dança e quer aprender entre em contato para agendar sua aula!!




Fontes pesquisadas:

Conselho Internacional de Zouk Brasileiro https://www.brazilianzoukcouncil.com/ History of Zouk by Renata Peçanha - Brazilian Zouk Dance Council

Documentário: Zouk - O ritmo que encanta



3.482 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments